Estudo analisa potencial terapêutico de areia de Guarapari

27, dezembro de 2019

Há anos o povo capixaba ouve falar sobre o potencial terapêutico da areia preta de Guarapari, mas será que existe algo realmente especial nas praias da Cidade Saúde? A missão de revelar se isso é fato ou fake está nas mãos do projeto Areias da Saúde.

Realizado em parceria entre a Universidade Vila Velha e a Fapes, a pesquisa investiga como a radiação presente na areia preta de Guarapari pode colaborar para o tratamento de doenças ósseas. Os profissionais e estudantes da UVV envolvidos fazem parte dos Mestrados em Assistência Farmacêutica e Ciências Farmacêuticas da instituição.

“Decidimos avaliar o efeito dessa radiação na osteoartrose de joelho, visando produzir uma oferta inovadora de serviços de saúde, validando as areias como uma possibilidade de tratamento”, explica a coordenadora do projeto e professora da UVV, Dra. Denise Endringer, em entrevista à Fapes.

Ela destaca, ainda, que cidades com areais cuja radioatividade é cerca de cem vezes menor que a encontrada em Guarapari já utilizam suas praias para atividades de complementação a tratamentos medicinais.

 

Areias da Saúde reúne mais de 70 voluntários

O estudo acontece com a participação de aproximadamente 75 voluntários, divididos em dois grupos. Todos possuem problemas causados pela osteoartrose.

Enquanto um grupo é exposto às areias da Praia da Areia Preta (com registro de radiação), em Guarapari, outro faz o experimento na Praia de Itapuã (sem registro de radiação), em Vila Velha, esclarece o também coordenador do projeto e professor da UVV, Dr. Márcio Fronza.

Os testes se dão por meio do contato direto dos voluntários à areia. Com isso, pretende-se entender se haverá destaque nos efeitos relacionados à melhoria da osteoartrose de joelho do grupo levado à praia de Guarapari, em relação às pessoas que frequentam a praia de Vila Velha.

Analises de região afetada pela osteoartrose são realizadas periodicamente, a fim de que se observem alterações significativas, caso ocorram, que possam ser associadas ao objetivo do projeto.

 

Assista ao vídeo e saiba mais