Egressas da UVV concorrem ao Prêmio Kindle de Literatura

7, outubro de 2021

Duas egressas da Universidade Vila Velha – UVV estão concorrendo à 6ª edição do Prêmio Kindle de Literatura. Jeovanna Vieira concorre com o livro “Virginia Mordida” e Letícia Ruy com “Opostos similares”.

O concurso, organizado pela Amazon e pela Editora Record, é uma oportunidade de descobrir novos autores nacionais. O vencedor ganha o prêmio de R$ 50 mil.

 

Conheça um pouco mais sobre elas:

 

Jeovanna Vieira

 

Urgente, necessário, real, triste, violento, essas são características que permeiam o livro “Virginia Mordida”, de Jeovanna Vieira. Formada em Jornalismo pela UVV, carrega a escrita desde pequena, por isso a vontade de fazer o curso.

Em sua passagem pela universidade, Jeovanna conta que uma das coisas que mais a marcram foi a monografia: “foi um exercício muito forte de metodologia de organização e pesquisa. Na apresentação eu soube, naquele momento, que eu seria escritora”.

Em sua estreia como autora, teve seu livro selecionado para a 6ª edição do Prêmio Kindle de Literatura.

“Esse prêmio é muito importante para mim porque ele veio para me dar uma tranquilidade para continuar escrevendo, é um privilégio ter uma grande empresa e um grande grupo editorial te chancelando no seu primeiro livro”.

Escrito em praticamente um mês, “Virgínia Mordida” é baseado em fatos reais e relata as várias formas de violência vivida por mulheres. A autora capixaba constrói a narrativa com angustia e afeto, com capítulos curtos e alternância de estilos.

“É um romance que me dediquei muito na construção do personagem nas referências. Virgínia tem cultura popular, ancestralidade, personagens pretos em lugares de comando”.

 

Sinopse

A história é de Virgínia, mas poderia ser de qualquer uma de nós. Talvez seja sua também, porque a violência é esse bolor que envolve as experiências.

Em seu romance de estreia, Jeovanna Vieira constrói essa narrativa que tem angústia e afeto no tecido, baseada em acontecimentos reais.

A relação de codependência entre Virgínia e Henrí ganha contraste e relevo conforme conhecemos a trajetória da protagonista. Virgínia é uma mulher improvável de se sujeitar, que se constrói a partir de sua ancestralidade pujante. O romance desvela o percurso dessa relação desmedida, desde a tensão sexual que turva a percepção de Virgínia, passando pela busca de redenções, até que todos os limites sejam ultrapassados.

 

Letícia Ruy

 

Leveza, romance, clichê e uma pitada de tensão são características do livro “Opostos Similares”, de Letícia Ruy.

Formada em Psicologia pela UVV, que junto com a escrita é sua outra paixão.  Aprendeu o caminho da leitura desde cedo por causa de sua mãe, que a incentivava. Junto com a escrita, é sua outra paixão.

Na universidade, assistindo à uma palestra, ouviu a professora falar que “somos todas filhas de Eva pagando pelos seus erros”, e isso foi o gancho necessário para sua trajetória como autora.

“Desde que me lembro, mesmo sendo muito tagarela, minha melhor forma de me expressar é pela escrita. Ela me representa muito e eu acho que quem me conhece, se ler algo que eu escrevi, vai saber que fui eu”.

Agora Letícia concorre ao Prêmio Kindle de Literatura, com seu livro escrito em duas semanas especialmente para o concurso e para as pessoas que amam um bom clichê romântico.

“Acho que um autor, mesmo que saiba que escreve bem, nunca vai achar suficiente, então ouvir das pessoas que elas gostaram é o que mais me motiva a continuar escrevendo”.

Letícia espera, com esse prêmio, ter seu lugar ao sol, fazer mais pela escrita e deixar algo de bom no mundo.

“Para mim, é muito importante concorrer ao prêmio e ter um reconhecimento para começar fazer meu nome como autora”.

 

Sinopse

Perto de seu aniversário de 15 anos, Aurora parecia ter tudo que poderia querer e estar no caminho certo para realizar seu maior sonho: ser campeã olímpica de patinação, mas sua vida vira de cabeça para baixo após uma perda.

Cinco anos depois, a menina é a patinadora a ser batida na maior competição esportiva que se aproxima. Porém, sua motivação para patinar e suas relações pessoais já não são mais as mesmas. Na verdade, nem ela é e o que aconteceu no passado a afeta mais do que ela mesma admite. Depois de uma briga com o pai, ela acaba tomando decisões erradas e entrando em um acordo que a leva até Luca Novaz, o capitão do time de hóquei da Universidade da Pensilvânia.

Luca é um cara legal, respeitador e amigo. O problema, na visão de alguns, é que ele não é de se apegar a ninguém, o que o coloca em algumas situações desagradáveis de vez em quando. É quando uma aposta acaba fazendo com que sua vida se cruze com a de Aurora. Quanto mais o tempo passa, mais percebem que estão enrolados em uma situação que não esperavam.
Depois de descobrirem que foram enganados, os dois vão precisar aprender a confiar, sendo necessário que deixem as questões do passado para trás e possam decidir se vale a pena tentar fazer dar certo.