Até que se prove o contrário, somos culpados: Redes sociais e os processos seletivos

21, maio de 2021

A Declaração Universal dos Direitos Humanos direciona que toda pessoa acusada é inocente até que se prove o contrário. A Constituição Federal assegura que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado”. Entretanto, as mídias sociais têm fomentado a relativização da presunção da inocência.

O conteúdo das nossas redes sociais, como as fotos que publicamos, as páginas que seguimos, os conteúdos que curtimos e as nossas conexões tem sido analisado pelos avaliadores de processos seletivos e pelos nossos potenciais clientes, influenciando as oportunidades de trabalho.

Pesquisas apontam que cada vez mais recrutadores têm utilizado as redes sociais para fazer uma pré-seleção de candidatos e posteriormente conferir se o que foi dito na entrevista está alinhado com seu comportamento. Os clientes estão cada vez mais atentos e têm buscando o perfil das empresas e dos empreendedores antes de comprar um produto.

As pessoas estão cada vez mais consumindo por identificação, buscando criar laços e encontrar afinidades com quem está ofertando algo. Além de estarem, também, tornando o ato da compra uma manifestação de seus princípios. É comum que hoje um perfil profissional mescle a oferta de um produto com sua vida pessoal, buscando criar uma aproximação com seus clientes.

Existem algumas estratégias para administrar nossa vida online. Reflita sobre como você se comporta nas redes sociais, qual imagem você quer passar para as pessoas e pense em como você irá se posicionar! Escolha boas fotos, assuntos interessantes e evite o excesso.

Tenha atenção com informações contraditórias, assuntos polêmicos e sua segurança. Tenha cuidado com o que você vai expor! Estamos vivendo momentos perigosos com muitas Fake News. Até que se prove ao contrário, já somos culpados! Precisamos estar atentos e usar as redes sociais a nosso favor para influenciar positivamente os avaliadores e nossos potenciais clientes.

 

Lorrara Imagawa

Mestra em Administração

Tutora da UVV ON